Casa Grande a concurso no âmbito do programa REVIVE

“Ouvir Hoje” o que se cantava ontem…
Junho 21, 2022
Mostrar tudo

Casa Grande a concurso no âmbito do programa REVIVE

A Secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, esteve hoje (22 de junho) em Pinhel onde participou na Sessão de Lançamento do Concurso de Concessão da Casa Grande ao abrigo do Programa REVIVE.

A sessão teve lugar no átrio do edifício a concessionar, estando também presente a Vice-Presidente do Turismo de Portugal, Teresa Monteiro, e o Presidente da Câmara Municipal de Pinhel, Rui Ventura.

Na sequência deste ato público, será enviado ainda hoje para publicação em Diário da República o anúncio do concurso para a concessão deste edifício histórico que data da primeira metade do século XVIII, tendo em vista a sua exploração com fins turísticos, ao abrigo do Programa REVIVE.

Para o Presidente da Câmara Municipal de Pinhel, Rui Ventura, “o lançamento do concurso REVIVE tendo em vista a reabilitação, valorização e concessão para fins turísticos da Casa Grande é um momento de crucial importância para o Município de Pinhel tendo em conta que é um dos edifícios mais emblemáticos do centro histórico de Pinhel”.

“Numa altura em que Pinhel está claramente em trajetória ascendente, no que diz respeito à atração de turistas e, consequentemente, à atração de investimentos na área do Turismo, o lançamento do REVIVE representa a esperança de, por um lado, recuperar um edifício de grande valor patrimonial, e por outro lado, de criar um tipo de oferta turística que ainda não temos e que será complementar aos vários projetos que foram surgindo ao longo dos últimos anos”, concluiu o autarca, lembrando os múltiplos investimentos que o Município tem feito na recuperação e valorização do centro histórico e dos patrimónios concelhios.

Por sua vez, a Secretária de Estado do Turismo, Comércio e Serviços, Rita Marques, aproveitou a oportunidade para elogiar o trabalho da equipa associada ao programa REVIVE, lembrando as dificuldades dos últimos dois anos associadas à situação de pandemia.

No entender da governante, “o turismo é uma força de bem, capaz de regenerar territórios e de contribuir para uma maior coesão territorial”, motivo pelo qual apelou a todos no sentido de colaborarem na divulgação dos territórios e também do concurso que irá permitir dar uma nova vida à Casa Grande de Pinhel.

Programa REVIVE

A Casa Grande, um dos edifícios mais emblemáticos do centro histórico da cidade de Pinhel, é o 27º imóvel colocado a concurso no âmbito do REVIVE.

O edifício será concessionado por 50 anos, para exploração com fins turísticos, por uma renda mínima anual de € 5.869,57.

Os investidores interessados terão um prazo de 120 dias para apresentação de propostas que, além da recuperação do imóvel, promovam a sua valorização através da exploração turística e contribuam para atrair turistas para a região e para gerar novas dinâmicas na economia local.

A Casa Grande, em Pinhel, foi um dos 16 imóveis integrados na segunda fase do programa REVIVE, uma iniciativa dos ministérios da Economia, da Cultura, das Finanças e da Defesa, que conta com a colaboração das autarquias locais, e pretende recuperar e valorizar património público devoluto e reforçar a atratividade dos destinos regionais.

O programa foi lançado em 2016 com um lote inicial de 33 imóveis, tendo, em 2019, sido integrados mais 16 imóveis, e já em 2021 foram incluídos 3 novos imóveis de um terceiro lote que será anunciado até ao final do ano corrente.

O programa integra, atualmente, um total de 52 imóveis, 23 deles situados em territórios de baixa densidade.

Foi já adjudicada a concessão de 19 destes imóveis, representando mais de 142,5 milhões de euros de investimento privado na recuperação de património público e rendas anuais a rondar os 2,5 milhões de euros.

Toda a informação sobre o novo concurso estará brevemente disponível no site do Programa REVIVE: https://revive.turismodeportugal.pt/pt-pt

Casa Grande

Situado junto à muralha de Pinhel, este imóvel conhecido por “Casa Grande”, pertenceu, inicialmente, à família Antas e Menezes, que na época detinha a alcaidaria-mor da vila.
Durante as Invasões Francesas o edifício foi ocupado pelas tropas francesas, que aí se instalaram no ano de 1810. Mais tarde, passou a pertencer à família Noronha e Avilez, e em finais do século XIX foi vendido ao Conde de Pinhel.

No século XX, a Casa dos Condes de Pinhel tornou-se sede do Grémio da Lavoura e nos anos 1973-1974 a cooperativa agrícola cedeu o espaço à Câmara Municipal de Pinhel.

O solar, que estava então adossado ao edifício dos Paços do Concelho, foi objeto de algumas obras de conservação, passando depois a desempenhar funções de sede da autarquia até 2005. Encontra-se, desde então, desocupado e sem utilização.

Imóvel incluído em Zona Especial de Proteção de Monumento Nacional.

Área bruta total de construção: 1.717,40 m2